Um terço das PMEs pretende usar IA para alavancar os negócios

Pesquisa da plataforma Nuvemshop entrevistou 1,9 mil pequenos negócios de sua base, que consideram implementar atendimento virtual e chatbots
Um terço das PMEs pretende usar IA para alavancar os negócios

A inteligência artificial não está mais no radar apenas de grandes empresas. As pequenas e médias também vão apostar no uso dessa ferramenta em 2024, principalmente para crescimento. A constatação é do estudo anual Nuvem Commerce, realizado pela plataforma Nuvemshop. Segundo a pesquisa, que ouviu 1,9 mil PMEs da base, 36% pretendem implementar IA este ano, principalmente para atendimento virtual e chatbots.

“O PIB brasileiro é movimentado pelas pequenas e médias empresas, e a inteligência artificial é aceleradora desses negócios”, destacou Nina Silva, CEO do D’Black Bank e líder do Movimento Black Money, no painel “Construindo o Amanhã: Inovações Tecnológicas que Moldarão o Mercado”, promovido pela consultoria keeggo, em evento de 30 anos da empresa de tecnologia.

Outro estudo, realizado pela Visa em outubro de 2023, apontou que 87% dos pequenos empresários brasileiros consideram o uso de IA e serviços de automação nos próximos 12 meses, a fim de aumentar vantagens competitivas.

A fatia que testa a tecnologia é de 45%, enquanto 10% já implementam IA em processos de produção, conforme levantamento da Gartner com 1,4 mil executivos.

“A IA é um movimento de inclusão que coloca todos no mesmo patamar. Como capacitação, isso pode transformar e incluir muita gente”, disse Fábio Neto, CSO da StartSe, escola internacional de negócios para empreendedores na América Latina, no evento.

Na ocasião, Rachel Maia, conselheira do Pacto Global da ONU e CEO da RM Consulting, complementou dizendo que: “A IA tem que operar de forma propositiva para continuar evoluindo e trazendo benefícios não só na ponta da pirâmide, mas para todos os players”.

O CEO da keeggo, Vitor Roma, destacou as principais vantagens da inteligência artificial para os pequenos negócios:

SUBSTITUIÇÃO DE TAREFAS REPETITIVAS

Uma série de atividades operacionais poderão ser automatizadas e otimizadas pela inteligência artificial. Da padronização de atas de reuniões ao faturamento, passando por triagens de currículos e atendimento ao cliente via e-mail e telefonia.

EXPERIENCIA DO CLIENTE

Por meio da análise de dados, a IA ajuda a entender o comportamento de usuários e oferecer melhores experiências de atendimento. É possível antecipar a próxima curva de adoção do cliente e ser mais assertivo na oferta de produtos e serviços.

“No entretenimento, a IA ajuda o produtor a entender o comportamento do consumidor por meio de dados. Conseguimos prever, por exemplo, qual tipo de cardápio oferecer e a quantidade de produtos que serão vendidos”, disse Bruno Lindoso, CEO da fintech Zigpay

ANÁLISE DE DADOS

Baseado em dados de vendas e entregas, a inteligência artificial também auxilia o empreendedor a entender como o produto está sendo consumido, gerando inovações e melhorias na sequência da própria prestação de serviços.

EFICIÊNCIA OPERACIONAL

A IA otimiza processos internos, identifica gargalos, sugere melhorias e até mesmo automatiza a alocação de recursos, contribuindo para uma operação mais ágil e eficiente.

ATENDIMENTO 24×7

Um dos maiores desafios de startups é atender o cliente com velocidade. A IA antecipa atendimentos, filtra problemas e trabalha com protocolos que aumentam a satisfação do cliente no pós-venda, além de gerar novas vendas.

“O uso da IA vai além de tarefas operacionais e chega à criação de produtos inovadores. Muitas vezes, o alto custo dificulta a entrega de serviços de qualidade para o cliente. A IA, de forma simples, pode gerar muito valor com a proposta de otimização. Como o próprio nome sugere, é uma forma de acessar inteligência de forma mais econômica”, disse Vitor Roma. 

Fonte: Diário do Comércio – Imagem: Freepik

Compartilhe

Programa EMPRESA AMIGO DO VAREJO