Scania investe R$ 65,7 milhões no centro de distribuição de peças


Aporte ampliará capacidade física e prepara as instalações para atender novos mercados na rede logística da fabricante
Scania investe R$ 65,7 milhões no centro de distribuição de peças

Por Décio Costa

A Scania anunciou investimento de R$ 65,7 milhões no seu centro logístico de distribuição de peças (LPC), localizado em Vinhedo (SP). O aporte, além de aumentar o armazém em 50%, dos atuais 15 mil m² para 22 mil m², busca aperfeiçoar processos e ampliar atuação para atendimento de novos mercados. O recurso é adicional ao R$ 1,4 bilhão programado para o período de 2021 a 2024.

“O investimento nos prepara para o futuro.  Com o aumento dos volumes, novos mercados surgem, resume Paulo Moraes, vice-presidente de vendas e marketing da Scania para a América Latina. “A expansão também permitirá obter mais eficiência operacional nos fluxos para garantir disponibilidade do veículo ao cliente em meio ao permanente desafio de equilibrar custos, prazos e emissão de CO2.”

LEIA MAIS

→Scania faz 65 anos no País com a casa ampliada e mais capaz

→Scania aprimora contratos de serviços de manutenção

Integrante da rede global de distribuição de peças da Scania, na qual reúne quatro CDs e a matriz logística, na Bélgica, o LPC atende 30 países na América Latina. Somente no Brasil, o maior mercado em volume da fabricante, a operação de Vinhedo atende 180 pontos e absorve entregas de mais de 200 fornecedores.

Diariamente são movimentadas mais de 42 mil peças para distribuição ou armazenamento. Na rotina, o centro contabiliza 20 despachos por dia com 5,5 mil linhas de peças faturadas, o que se traduz em mais de 1 tonelada/mês. Atualmente, abriga 60 mil locações para 40 mil itens. Com a ampliação, a Scania calcula evolução nos processos e capacidades na mesma proporção do aumento da área física, prevista para ser concluída em 2025.

“Temos um índice de 97% de disponibilidade de peças armazenadas, enquanto na rede de concessionárias chega a 93%. Em média, o componente que eventualmente falta, chega ao destino em qualquer ponto do território nacional em 2,5 dias.”, conta Ademir Egídio, gerente executivo do LPC.

O executivo lembra ainda, no entanto, que a tecnologia ajuda na evolução dos processos. Hoje, 60% do estoque da rede já é reposto de maneira automática. Depois, a frota de caminhões e ônibus conectados contribui com a previsibilidade da demanda de peças. “As informações dos veículos em circulação ajudam a definir a estratégia de distribuição e as peças para preparar a rede”, ressalta Egídio.

Fonte: AutoIndústria – Foto: Scania/Divulgação

Compartilhe

Programa EMPRESA AMIGA DO VAREJO