Categories • Gerenciais

Decreto uniformiza práticas de fiscalização e incentiva dupla visita em todo o País

O benefício de dupla visita no comércio ganha novo incentivo com a publicação do Decreto 10.887/2021, que uniformiza as práticas de fiscalização em todo o País e disciplina, de forma objetiva, os critérios para a aplicação de multas pelas Fundações de Proteção e Defesa do Consumidor (Procons).

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) sempre defendeu a dupla visita, uma vez que possibilita a micro e pequenas empresas a correção de irregularidades, além de evitar autuações por desconhecimento de algumas condutas.

Leia mais sobre legislação
Sociedade unipessoal de advocacia deve ter tratamento tributário de pessoa jurídica
Reforma fiscal municipal pode aumentar carga tributária em R$ 2,5 bilhões até 2025
FecomercioSP pede que STF decida pela exclusão do ISS do cálculo de PIS/Cofins

Sendo assim, a Entidade ressalta que o decreto elaborado com o objetivo de promover a transparência, a segurança jurídica e a padronização dos procedimentos de fiscalização é de grande relevância para os empresários, pois muitos Estados desrespeitavam as regras para a realização da prática – quando a atuação é feita apenas caso a irregularidade constatada na primeira fiscalização deixe de ser corrigida.

A partir de agora, as normas ficam mais claras e uniformes, o que facilita a atuação, em especial, das empresas que trabalham em vários estados. Tal decreto atende aos princípios da Lei de Liberdade Econômica, em especial no tocante à liberdade como uma garantia no exercício de atividades econômicas e à boa-fé do particular perante o Poder Público.

Quando a atividade econômica for classificada como de risco leve, irrelevante ou inexistente, a autuação, como regra, ocorrerá após a segunda visita, salvo casos de reincidência, fraude ou resistência à fiscalização. Também será possível celebrar Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), no qual o fornecedor poderá reparar o dano causado aos consumidores de forma a encerrar o conflito de forma mais rápida.

Motivação

Conforme a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), a medida, em análise desde 2019, busca atender a reclamações sobre a existência de diferentes métodos de aplicação de sanções administrativas.

O antigo decreto (2.181/1997) não acompanhava as novas leis editadas pelo Congresso Nacional – por exemplo, o novo Código de Processo Civil, a Lei 13.874, de 20 de setembro de 2019, e a Lei 13.140, que trata da autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública.

Com a mudança, também foram promovidas alterações nos procedimentos administrativos sancionadores, com destaque para o desmembramento e a conexão temática de processos, bem como a possibilidade de realização de notificações e intimações por meio eletrônico e de aplicação subsidiária das normas procedimentais estabelecidas na Lei 9.784, de 1999, e no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Fonte: FecomercioSP

You May Also Like