Categories • Automotivas

Populares seminovos já perderam mais de 5% de valor no último mês

Anunciado no último dia 25 de maio pelo vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin (PSB), o pacote de medidas que visava reaquecer as vendas de carros novos foi esmiuçado na primeira semana de junho, apontando redução de impostos (PIS/Cofins) como gatilho para diminuir entre R$ 2.000 e R$ 8.000 os preços finais dos carros 1.0 zero km.

Algumas montadoras divulgaram as novas listas de preços e, em uma condição aguerrida de concorrência, ampliaram os descontos por conta própria, como Fiat e Volkswagen. As medidas perdurarão por quatro meses, inicialmente.

Diante do questionamento de qual o impacto essa redução nos preços dos carros novos teria nos valores de mercado dos seminovos, a Mobiauto apressou-se em buscar em sua base de dados uma resposta para o consumidor. E ela aponta queda média de 5,13% nos preços dos carros populares seminovos no último mês – anos/modelos 2022, 2021 e 2020.

“Apuramos as cotações de dezenas de milhares de anúncios em nossa plataforma, inicialmente na primeira semana de maio, quando não havia essa medida do governo. E repetimos a pesquisa na primeira semana de junho, período que já traria o impacto da redução nos novos. Em um mês, portanto, a queda média foi de 5,13%”, atesta Sant Clair de Castro Jr., consultor automotivo e CEO da Mobiauto.

Os modelos mais anunciados e procurados pelos clientes apontaram um percentual menor de diminuição nos preços, exatamente pelo aquecimento de demanda. Mas, à medida que os novos preços de zero km “emplacarem” no dia a dia do mercado, a tendência é que esse percentual suba ainda mais. “Tivemos modelos de altíssima procura, como o Hyundai HB20S, modelo 2020, que caiu menos de 1%. Já um Chevrolet Joy, que está fora de linha e possui menor atratividade para a revenda, já despencou em mais de 10% em um único mês”, exemplifica Sant Clair de Castro Jr.

Sant Clair de Castro Jr., consultor automotivo e CEO da Mobiauto

De qualquer modo, de acordo com o executivo, a variação negativa nos preços dos populares pelos próximos meses é fato consumado. Todos irão cair, principalmente nessa primeira fase do programa do governo, que incentiva as vendas com desoneração tributária em favor de compradores pessoa física. “Não há milagres: se você está vendendo um carro 1.0 com dois ou três anos de uso e chega em uma loja, ele será avaliado na compra a um preço 5% ou 10% abaixo do que seria um mês atrás. O lojista precisa pagar mais barato, pois sabe que o preço final diminuiu”, diz.

“As variações de preços dos seminovos costumam espelhar o que acontece no zero km. Como a redução em alguns modelos novos pode passar de 10%, eu diria que os 5,13% que apuramos tendem a ampliar mais alguns pontos percentuais. Essa queda vai se acentuar na próxima semana. Claro que há variações em razão de estoques regionais. Em uma cidade em que a rede autorizada possui 10 unidades em estoque de um certo carro seminovo, a queda nos preços será menor do que em outra região em que o estoque seja de 50 unidades”, conclui Castro Jr.

Fonte: Balcão Automotivo