Corte da Selic é acertado, mas ciclo de redução pode ser interrompido em breve

Considerando a elevação da massa de renda nacional, é de se esperar que a inflação volte a ser um dilema nas próximas reuniões do COPOM
Corte da Selic é acertado, mas ciclo de redução pode ser interrompido em breve
Ainda não não há no horizonte uma definição clara por parte do governo sobre sua política fiscal (Arte: TUTU)

Mais uma vez, a decisão do Comitê de Política Monetária (COPOM) do Banco Central em cortar a taxa básica de juros do País, a Selic, em 0.5 pontos percentuais (p.p) é acertada. Por outro lado, é a primeira vez que o ciclo de redução, iniciado no ano passado, começa a ser ameaçada no médio prazo, na visão da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Primeiro por causa da inflação. Os dados recentes publicados pelo IBGE sobre o setor de Serviços mostram aumento em alguns segmentos que atingem as camadas mais baixas da população. Segundo a XP Investimentos, além disso, serviços intensivos em mão de obra estão bastante inflacionados – sinal de que o mercado de trabalho aquecido já teve efeitos sobre os preços. 

VEJA TAMBÉM

Vale lembrar que, em fevereiro, o País gerou 180 mil novas vagas de emprego formais. A previsão é que, ao fim de 2024, esse número chegue a 1 milhão de postos de trabalho. Considerando a elevação da massa de renda acompanha esse fenômeno – no ano passado ela ganhou 10% em termos reais –, é de se esperar que a inflação volte a ser um dilema nas próximas reuniões do COPOM.

Em janeiro, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,42%. No mês seguinte, ele pulou para 0,83%. Em outras palavras, o primeiro bimestre já cumpriu quase metade do centro da meta da inflação estipulada para o ano inteiro.

Não é trivial que, ao anunciar um balanço de riscos positivo para um cenário desinflacionário, o Banco Central garantiu outro corte de 0.5 pp para a reunião de maio, mas não para as “próximas” ao longo do ano, como vinha fazendo.

A Federação entende que, na verdade, já seria interessante a adoção de um modelo de análise mais conservador, ainda que sem se prender a uma nova baixa. Não quer dizer que não exista espaço para maior flexibilização, mas que ela deve ser consequência de um diagnóstico mais profundo dos dados da economia.

Além disso, não há no horizonte uma definição clara por parte do governo sobre sua política fiscal. Na verdade, medidas expansionistas de política fiscal, se tomadas agora, poderiam servir de combustível para o processo. Outro motivo para uma perspectiva mais conservadora do BC.

Fonte: FecomercioSP

Programa EMPRESA AMIGO DO VAREJO