Programas de conformidade tributária ainda são pouco utilizados no País


Prevendo desconto na multa, autorregularização é o principal incentivo deste tipo de iniciativa
Programas de conformidade tributária ainda são pouco utilizados no País
Estudo mostra que PGFN e sete secretarias subnacionais adotam iniciativas de harmonização fiscal (Arte/Tutu)

Capazes de harmonizar a relação entre administração tributária e contribuinte, os programas de conformidade ainda são pouco utilizados no País. Na realidade, em um levantamento com 72 órgãos que fazem parte do sistema de arrecadação e cobrança de tributos, apenas oito (5,76%) afirmam contar com iniciativas que premiam os bons pagadores de impostos.

Os dados são do Diagnóstico do Contencioso Judicial Tributário Brasileiro, estudo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) realizado pelo Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) e apresentado em reunião recente do Conselho de Assuntos Tributários (CAT), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP).

Veja também
Simplificação tributária pode diminuir contencioso fiscal no Brasil
Complexidade na interpretação da legislação e outros desafios fazem contencioso tributário chegar a R$ 5,4 trilhões
Balcão de Defesa do Contribuinte: FecomercioSP cria canal digital para facilitar envio de reclamações e sugestões sobre a legislação tributária

Por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI), o estudo consultou a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Receita Federal, 35 procuradorias estaduais e municipais e 35 fiscos subnacionais.

Conforme as respostas obtidas, apenas a PGFN e sete secretarias responsáveis pelas finanças dos Estados e dos municípios (vide infográfico) indicam adotar programas de conformidade tributária.

Em geral, tais programas estimulam o relacionamento cooperativo entre o órgão da administração tributária e o contribuinte. Classificadas como bons pagadores, os negócios que recolhem os tributos em dia, regularmente, costumam ter acesso a mecanismos que facilitam a gestão fiscal, como descontos no pagamento de tributos e simplificação no que diz respeito ao cumprimento das obrigações acessórias.

Além disso, o Diagnóstico pontua que programas neste formato promovem mais cooperação, confiança e transparência à relação entre a administração tributária e o cidadão ou a empresa, contribuindo para diminuir as contestações nas esferas administrativa e judicial.

Características dos programas de conformidade

O estudo mostra que, no caso da PGFN, as regras de conformidade tributária envolvem flexibilização, antecipação e execução de garantias, além de canais de atendimento.

Ainda assim, o incentivo com mais presença, entre os fiscos que responderam à pesquisa, é a possibilidade de autorregularização, com redução da multa. Em seguida, aparecem os descontos no pagamento de tributos.

info__programasdeconformidadetributaria

Nos Conformes

Apesar de não constar do Diagnóstico do CNJ, no Estado de São Paulo há o Programa de Estímulo à Conformidade Tributária – Nos Conformes, instituído pela Lei complementar 1.320/2018, que tem como princípios simplificação, boa-fé, segurança jurídica, publicidade, transparência e concorrência leal.

Entretanto, o programa não foi integralmente implementado, e justamente a fase mais aguardada pelo contribuinte está pendente.

O CAT, da FecomercioSP, tem reiteradamente solicitado à Sefaz/SP sua conclusão, ressaltando que é primordial que seja totalmente implantado em prazo expresso de, no máximo, 60 dias, para facilitar o encaminhamento dos pleitos das empresas bem avaliadas nos âmbitos do regime especial, do crédito acumulado e do ressarcimento de substituição tributária, além de proporcionar oportunidade real de apresentação de justificativa prévia ao auto de infração e à imposição de multa.

Simplificação e modernização

Em defesa do contribuinte, a FecomercioSP tem atuado para que o País tenha um sistema tributário mais simples e moderno, rechaçando qualquer tipo de aumento de imposto.

Além disso, a Entidade elaborou 11 propostas de simplificação tributária que podem desburocratizar sobremaneira o atual regime tributário nacional. As proposições, inclusive, não exigem mudanças na Constituição Federal.

Destacamos que as propostas – elaboradas pelo jurista e presidente do Conselho Superior de Direito (CSD) da FecomercioSP, Ives Gandra Martins, e pelo ex-secretário da Receita Federal Everardo Maciel – são alternativas para melhorar significativamente o ambiente de negócios do País.

Clique aqui e conheça os anteprojetos de simplificação tributária da FecomercioSP.

Fonte: FecomercioSP

Compartilhe

Programa EMPRESA AMIGA DO VAREJO