Geração de emprego desacelera em setembro no setor de comércio e serviços paulista


Comércio obteve a menor evolução desde abril; Black Friday, Natal, Réveillon, e pagamento do 13º salário devem influenciar contratações nos próximos meses
Geração de emprego desacelera em setembro no setor de comércio e serviços paulista
Com o resultado de setembro, o estoque avançou 0,54%, atingindo 2.782 milhões de postos de trabalho formais (Arte: TUTU)

Em setembro, o comércio paulista gerou quase 15 mil empregos com carteira assinada, após 116.441 admissões e 101.564 desligamentos – é a menor evolução mensal desde abril. Os dados são da Pesquisa do Emprego no Estado de São Paulo (PESP), realizada pela FecomercioSP. Podem ter contribuído para a desaceleração: a conjuntura de inflação, os juros e o endividamento familiar altos, porém, a acomodação do mercado de trabalho já era esperada. No entanto, eventos como a Black Friday, o Natal e o Réveillon, aliados ao pagamento do décimo terceiro salário, devem influenciar o comércio nos próximos meses, mantendo o ritmo de crescimento do mercado de trabalho.

Tradicionalmente nos fins de ano, o setor avança na empregabilidade para atender a uma demanda mais forte no principal período de vendas. Considerando os números mais recentes de indicadores de confiança e de intenção em contratação dos empresários do comércio, a FecomercioSP projeta que em torno de 34,5 mil empregos formais devem ser criados no varejo paulista no acumulado do bimestre outubro/novembro. É um patamar próximo do registrado em 2019, último período de normalidade, quando se observou a criação de 35,3 mil vagas.

Leia outras notícias de interesse do comércio
Varejo paulista espera um 2022 desafiador, mas de crescimento
Cidade de São Paulo reduz restrições nos estabelecimentos, mas uso de máscara permanece obrigatório
Indústria e varejo devem seguir novas regras para informar sobre redução na quantidade de produtos embalados

Com o resultado de setembro, o estoque avançou 0,54%, atingindo 2.782 milhões de postos de trabalho formais. Dentre as três divisões que formam o comércio, o varejo foi o que mais se destacou, com a criação de 9.009 vagas, influenciado novamente pelo varejo de vestuário e acessórios (1.232 postos de trabalho). Já o atacado, gerou 4.454 empregos; e a divisão de comércio e reparação de veículos, outros 1.414.

No acumulado dos nove primeiros meses de 2021, há um avanço de 107.785 novos empregos. O varejo conta com saldo positivo de 63.530 postos de trabalho, enquanto o atacado avançou em 31.213 vagas, e o comércio de peças e veículos, outras 13.042. Nos últimos 12 meses foram criados 200 mil postos de trabalho.

No setor de serviços, o mercado laboral obteve a nona evolução seguida, ainda que o saldo seja menor que o registrado em agosto. Foram 52.697 vagas, após 306.451 admissões e 253.754 desligamentos. Isso significa um avanço de 0,79% ao estoque (6,690 milhões de vínculos ativos).

Em números absolutos, os maiores avanços foram observados nos serviços administrativos e complementares (12.830), influenciados pelas atividades de seleção, agenciamento e locação de mão de obra (4.369), e na divisão de alojamento e alimentação (10.394), impactados, por sua vez, pelos bares e restaurantes, com 7.011 vagas. No acumulado do ano, o setor gerou 355.904 empregos, e em 12 meses, 455,7 mil.

Comércio e serviços na capital

Na capital paulista, o comércio também apontou, em setembro, o menor crescimento dos últimos meses: 5.872 vagas. Destas, 3.725 pertencem ao varejo; 1.349 ao atacado; e 798 ao comércio e à reparação de veículos. Com mais de 876 mil vínculos formais ativos, o aumento significou avanço de 0,67% no estoque. De janeiro a setembro, houve a criação de 32.889 empregos, e no acumulado de 12 meses, 55.781.

Já o setor de serviços gerou 24.954 vagas. O desempenho geral foi influenciado pelos grupos de atividades administrativos e complementares (5.736 vagas) e de alojamento e alimentação (4.090). Com pouco mais de 3 milhões de contratações, o saldo significou avanço de 0,84% no mercado de trabalho. Em 12 meses, houve criação de 206.944 vagas com carteira assinada. Os serviços administrativos, técnico/profissionais e de saúde humana e sociais responderam por 62% do saldo total do setor.

Fonte: FecomercioSP

Compartilhe

Programa EMPRESA AMIGA DO VAREJO