FecomercioSP busca facilitar recuperação de créditos tributários dos consumidores com a Aneel


Comitê Energia propõe que órgão elabore uma sistemática de devolução dos recursos a todos os consumidores sem ser por meio de desconto em fatura
FecomercioSP busca facilitar recuperação de créditos tributários dos consumidores com a Aneel
Comitê sugere que os referidos créditos do ICMS sejam usados para o pagamento dos empréstimos já consolidados pelas distribuidoras de eletricidade (Arte: TUTU)

Comitê Energia, que integra o Conselho de Sustentabilidade da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), encaminhou ofício à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) propondo que o órgão elabore uma sistemática para a devolução de créditos decorrentes de processos judiciais relativos à exclusão do ICMS da base de cálculo da contribuição de PIS/Pasep e Cofins. 

Trata-se de um pedido excepcional, em razão de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) no sentido de que o ICMS não deve incidir sobre a base de cálculo destas contribuições e, por esta razão, o que foi cobrado deve ser restituído. 

O comitê lembra que, em 2021, a agência havia informado que o montante total dos créditos alcançava R$ 50,1 bilhões, dos quais as requisições equivalentes à parcela de R$ 36,9 bilhões já haviam transitado em julgado e, desta fração, R$ 26,5 bilhões já constavam como habilitados na Receita Federal. Isso demonstra a necessidade de celeridade na devolução. 

A devolução é importante, tendo em vista que, a partir de 2023, os consumidores terão de arcar com a cobrança de novos encargos setoriais decorrentes da implementação da Conta Covid (R$ 15,3 bilhões de empréstimos já contratados) e da Conta Escassez Hídrica (estimados em R$ 10,5 bilhões). 

Leia mais sobre consumo de energia elétrica
Saiba como as pequenas empresas podem reduzir os gastos com energia elétrica
FecomercioSP apoia alteração na data de apuração para as empresas que buscam redução voluntária do consumo de energia elétrica
Brasil precisa caminhar em direção a fontes renováveis para evitar repetição das crises hídrica e energética
Marco legal para pequenos geradores de energia beneficia as empresas que pretendem reduzir valor da conta de energia

Com este aumento de custos, o comitê sugere que os referidos créditos do ICMS sejam usados para o pagamento dos empréstimos já consolidados pelas distribuidoras de eletricidade, bem como dos saldos remanescentes dos encargos das contas Covid e Escassez Hídrica. O Comitê acredita que a devolução desses montantes como créditos nas faturas dos consumidores individualmente não surtirá efeitos muito expressivos, de forma que o uso deles para a amortização dos empréstimos e saldos seria de grande benefício para todo o sistema energético brasileiro. 

Sobre estes custos, ainda incidem juros da operação de CDI mais 2,8% ao ano (no caso da Conta Covid), constituição de garantias e custos diretos e indiretos a elas relacionados, como ônus administrativos e financeiros e encargos tributários suportados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). 

Os clientes de todas as classes consumidoras – e, especialmente, do comércio – não suportam mais o alto custo da energia elétrica, o qual seria elevado pela implementação destes encargos no próximo ano, prejudicando ainda mais essas empresas. Ressalta-se que muitos negócios pequenos estão cadastrados nas distribuidoras como consumidores residenciais. 

Contexto 

Em 2017, foi publicado o acórdão relativo ao julgamento do Plenário do STF no Recurso Extraordinário (RE) 574.706-PR, com repercussão geral. Ficou decidido que, pelo princípio da não cumulatividade, a Fazenda Nacional estaria obrigada a excluir o ICMS da base de cálculo das contribuições de PIS e Cofins. Assim, os valores pagos a maior pelos consumidores de energia elétrica precisariam ser devolvidos. 

Fonte: FecomercioSP

Compartilhe

Programa EMPRESA AMIGA DO VAREJO