Em 2023, faturamento do varejo paulista será o mais alto em 15 anos

Previsão é que setor registre R$ 1,2 trilhão em receitas, puxado pelos supermercados e pelas farmácias e perfumarias; perspectiva para 2024 é de estabilidade. Autopeças e acessórios deve encerrar com 11% de crescimento sobre 2022
Em 2023, faturamento do varejo paulista será o mais alto em 15 anos

O varejo paulista terminará 2023 com o maior faturamento em 15 anos. Na perspectiva da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), o setor registrará uma alta de 4% nas vendas em comparação ao ano passado, totalizando R$ 1,2 trilhão [tabela 1].

O desempenho das atividades que vendem bens essenciais foi fundamental para o resultado — inclusive, uma tendência desde a eclosão da pandemia de covid-19. O faturamento dos supermercados, que representa mais de um terço da receita total do Varejo de São Paulo, deve crescer 9% em 2023, enquanto as vendas das farmácias e perfumarias vão avançar 15%. É a maior taxa de crescimento entre as atividades pesquisadas pela Federação.

Beneficiado por incentivos fiscais do governo federal ao longo de 2023, o segmento de concessionárias de veículos deverá ter um incremento de 13% nas vendas no ano, somando R$ 121 bilhões. Esse ritmo puxará, por consequência, o desempenho das lojas de autopeças e acessórios, que será 11% maior do que o de 2022.

Das nove atividades analisadas pela Federação, apenas três vão encerrar 2023 com uma receita menor do que o do ano passado: as lojas de materiais para construção (-3%), as de móveis e decoração (-4%) e o grupo outras atividades (-9%), em que predominam os combustíveis.

Dentre os fatores econômicos que possibilitaram esse desempenho, destaca-se, sobretudo, a queda da inflação ao longo dos últimos meses — principalmente sobre alimentos e bebidas —, que permitiu a volta de muitas famílias ao consumo e possibilitou o início do ciclo de redução da Selic. Embora exista uma defasagem até que os efeitos da queda na taxa básica de juros sejam sentidos no cotidiano da economia, a decisão tem o papel de melhorar a confiança dos consumidores.

Além disso, o mercado de trabalho segue cada vez mais aquecido, com a superação da marca de 100 milhões de brasileiros empregados e, no caso de São Paulo, a criação de 502 mil vagas formais entre janeiro e outubro.

A projeção de alta de 4% das vendas do varejo paulista em 2023 se baseia em um modelo preditivo da FecomercioSP que leva em conta fatores como padrões de consumo ao longo do ano, indicadores de renda e patamares da inflação acumulada, além dos dados já consolidados de trimestres anteriores.

No primeiro período, de janeiro a março, a alta do Varejo foi de 6% em comparação ao mesmo período de 2022. No segundo (abril a junho), o setor cresceu 2%, e no terceiro (julho a setembro), o avanço foi de 5%. A expectativa, assim, é de que o último trimestre mantenha o ritmo, impulsionado pela demanda das festas de fim de ano e da Black Friday, em novembro, com nova elevação de 5% [gráfico 1].

CARROS EM ALTA
De fato, o prognóstico positivo para o balanço de 2023 se baseia nesses resultados. Considerando a soma dos três trimestres de 2023, as vendas foram 4% maiores do que no mesmo período do ano passado, chegando a R$ 888,5 bilhões. Trata-se de um novo recorde para o período [tabela 2].

Esse desempenho também se deve às concessionárias de veículos, que faturaram R$ 96 bilhões em nove meses, alta de 16% em relação a 2022. Isso acontece porque o segmento foi beneficiado por incentivos fiscais oferecidos pelo governo federal na metade do ano — que, na estratégia dos negócios, desaguou em descontos maiores para os clientes. Chama atenção o fato de que, mesmo após o encerramento desse incentivo, as vendas das lojas de carros seguiram aquecidas, impulsionadas também pelos lançamentos de novos modelos de carros elétricos.

Essa conjuntura puxou as lojas de autopeças e acessórios automotivos para cima, gerando receitas 12% maiores do que no mesmo período de 2022.

Farmácias e perfumarias também venderam mais entre janeiro e setembro (15%), assim como supermercados (10%) e lojas de vestuário (7%). Por outro lado, caíram as vendas de materiais de construção (-2) e de lojas de móveis e decoração (-4%), muito porque são atividades que dependem do crédito. Vale lembrar, além disso, que esses segmentos cresceram muito durante a pandemia de covid-19 e, com isso, convivem agora com bases de comparação mais altas.

FATOR FISCAL PODE REDUZIR RITMO
Se o ano que está prestes a terminar será marcado por recorde de vendas, a perspectiva para 2024 é de um cenário de estabilidade. Nos cálculos da FecomercioSP, o varejo paulista não registrará aumento no faturamento total (0%) no ano que vem, mantendo apenas o desempenho histórico de 2023.As farmácias e perfumarias e os supermercados devem seguir liderando os números, com crescimentos de 14% e 7%, respectivamente, enquanto as concessionárias de veículos tendem a perder fôlego (-4%), assim como as lojas de autopeças (-21%).

A Entidade alerta, porém, que há um fator de risco para o próximo ano: o controle das contas públicas. Um eventual aumento de gastos que agravará a situação fiscal do País, além de gerar volatilidade no mercado e afetar as expectativas de juros e inflação futuras, pode desestimular o empresário a fazer novos investimentos, com possibilidade de interrupção do ciclo de queda da Selic.

Nesse contexto, a Federação espera que o debate sobre as metas fiscais e o orçamento do Estado se aprofunde em 2024, assim como a importante agenda da Reforma do Estado.

Sobre a FecomercioSP
Reúne líderes empresariais, especialistas e consultores para fomentar o desenvolvimento do empreendedorismo. Em conjunto com o governo, mobiliza-se pela desburocratização e pela modernização, desenvolve soluções, elabora pesquisas e disponibiliza conteúdo prático sobre as questões que impactam a vida do empreendedor. Representa 1,8 milhão de empresários, que respondem por quase 10% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e geram em torno de 10 milhões de empregos.

Mais informações
Assessoria de imprensa FecomercioSP
imprensa@fecomercio.net.br
Vinícius Mendes – (11) 96860-1503
Arlete Moraes – (11) 94291-8055
​Ana Maria Ribeiro – (13) 99147-3138
Izael Pereira – (61) 99402-6591

Siga a FecomercioSP
Facebook 
Instagram 
LinkedIn 
Twitter

Compartilhe

Programa EMPRESA AMIGO DO VAREJO