Briga acirrada entre SUVs compactos no semestre


Coluna Fernando Calmon nº 1.209
Briga acirrada entre SUVs compactos no semestre

Ainda sem atingir a normalidade da produção pela falta de chips e atrasos na cadeia global de logística, o primeiro semestre do ano mostrou que os SUVs ocuparam 37% do mercado brasileiro de veículos leves. Foram vendidas 315.362 unidades em quatro segmentos. Os compactos, com dois segmentos, somaram 266.481 unidades (31%). Somando-se os 54.563 hatches subcompactos aos hatches e sedãs pequenos a participação sobe para 38%.

Entre os 14 segmentos que dividem o mercado dois modelos se destacaram. O HB20 firmou-se na liderança entre os hatches compactos, deslocando para segunda posição o Onix que ainda enfrenta dificuldades de produção.

Outra mudança aconteceu entre os SUVs compactos. Com 212.739 unidades comercializadas representaram 25% do mercado total. O T-Cross liderou pela primeira vez, mas a disputa foi tão acirrada que apenas 1 ponto percentual de diferença separou os primeiros cinco colocados. Renegade, líder em 2021, caiu para a quarta posição.

Um modelo que chegou, viu e venceu foi o Commander entre os SUVs médios-grandes.

O Corolla alcançou participação recorde de 70% com a saída de cena do Civic, que voltará como híbrido importado e, assim, com pouca força de vendas. Mas nada se compara aos 87% da picape Strada. Foram entregues 50.945 unidades, individualmente o veículo mais vendido no Brasil, ressalvando que só há três produtos nesse segmento contra 16 entre os hatches compactos e 20 entre os SUVs compactos.

Ranking da coluna tem critérios próprios e técnicos com classificação por silhuetas. Referência principal é distância entre eixos, além de outros parâmetros. Base de pesquisa é o Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam). Citados apenas os modelos mais representativos (mínimo de dois) e maior importância do segmento. Compilação de Paulo Garbossa, da consultoria ADK.

  • Hatch subcompacto: Mobi, 58%; Kwid, 42%; E-JS1, 1%. Mobi com mais folga.
  • Hatch compacto: HB20, 26%; Onix, 20%; Gol, 14%; Argo, 13%; 208, 9%; Yaris, 7%; City, 4%; Sandero, 3%; Polo, 1%. HB20 novo líder.
  • Sedã compacto: Onix Plus, 26%; Cronos, 16%; HB20S, 15%; City, 12%; Voyage, 8%; Yaris, 7%; Logan, 5%; Versa/V-Drive, 4%; Grand Siena, 3,9%; Virtus, 3%. Onix avançou.
  • Sedã médio-compacto: Corolla, 70%; Cruze, 16%; Civic, 7%. Ampliada a vantagem do líder.
  • Sedã/cupê médio-grande: BMW Série 3/4, 78%; Audi A4/S4, 7%; Mercedes Classe C, 6%. BMW consolidado.
  • Sedã/cupê grande: Taycan, 43%; Panamera, 26%; BMW Série 5/6, 13%. Único elétrico a liderar.
  • Cupê esportivo: Mustang, 53%; BMW M3/M4, 33%; Camaro e Challenger, 5%. Mustang tranquilo.
  • Cupê esporte: 911, 49%; 718 Boxster/Cayman, 23%; Corvette, 9%. Inabalável o 911.
  • SUV compacto: T-Cross, 15%; Creta, 14%; Tracker, 13%; Renegade, 12%; Pulse, 11%; Kicks, 8%; Nivus, 7,8%; C4 Cactus, 5%; Duster, 4%. A disputa mais apertada.
  • SUV médio-compacto: Compass, 44%; Corolla Cross, 31%; Tiggo 7, 6%. Sem ameaças ao Compass.
  • SUV médio-grande: Commander, 33%; SW4, 23%; Tiggo 8, 15%. Commander, novo líder.
  • SUV grande: BMW X5/X6, 29%; XC90, 14%; Cayenne, 13%. Líder avançou.
  • Picape pequena: Strada, 87%; Oroch, 7 %; Saveiro, 6%. Strada ainda mais à frente.
  • Picape média: Toro, 31%; Hilux, 26%; S10, 17%. Toro com menor vantagem.

Anfavea espera enfraquecimento nas vendas

Previsões para o mercado brasileiro em 2022 estão em baixa segundo a Anfavea, em linha com que a Fenabrave anunciou no começo deste mês. Em dezembro de 2021 a associação das fabricantes estimava para este ano expansão de 8,5% nas vendas internas, 9,4% na produção e 3,6% nas exportações. Cerca de 170.000 veículos deixaram de ser produzidos no Brasil até agora.

A inflação puxou os juros para cima e afastou parte dos consumidores, embora ainda exista forte demanda reprimida. Estoques nas fábricas e concessionárias subiu para 24 dias ainda longe do mínimo de 35 dias considerados normais. Márcio Leite, presidente da Anfavea, prevê agora crescimento de apenas 1% no mercado interno, de 4,1% na produção e alta expressiva de 22,2% nas exportações.

Leite não comentou, porém, o mercado externo pelo visto foi priorizado por dois motivos claros: desvalorização do real tornou os modelos nacionais mais competitivos e vendas perdidas no exterior ficam mais difíceis de recuperar.

O presidente do Sindipeças, Claudio Sahad, é mais cauteloso: produção de autoveículos teria leve retração de 0,7% este ano.

Volkswagen planeja autônomos sob demanda

Tecnologia para veículos autônomos avança, apesar de acidentes recentes com carros de teste no tráfego. Em um aspecto não há evolução: preço continua proibitivo. Em entrevista à Bloomberg, Dick Hilgenberg, líder da Cariad, subsidiária da VW para softwares, afirmou que atualizações remotas não servirão apenas para melhorar o desempenho dos carros.

“Existe um novo modelo de negócios – assinatura ou função sob demanda – quando você pode dirigir de forma autônoma, se quiser, pelos próximos 100 quilômetros, por exemplo”, afirmou o executivo. Essa seria uma forma de ajuda aos motoristas que se sintam cansados ou preferem adiantar alguma tarefa antes de chegar ao destino.

www.fernandocalmon.com.br
www.twitter.com/fernandocalmon
www.instagram.com/fernandocalmonoficial

Compartilhe

Programa EMPRESA AMIGA DO VAREJO