Empresas precisam reajustar preços e fretes para acompanhar inflação


Com IPCA acima dos 10% ao ano, companhias não conseguem prever custos, paralisam investimentos e precisam reajustar preços com maior frequência
Empresas precisam reajustar preços e fretes para acompanhar inflação
Pexels

A escalada da inflação no país tem dificultado o planejamento das empresas. O índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) está acima dos dois dígitos desde setembro do ano passado, quando atingiu 10,25% no acumulado de 12 meses.

A tabela abaixo mostra os índices no acumulado de 12 meses:

DataAcululado 12 meses
Setembro/2110,25%
Outubro/2110,67%
Novembro/2110,74%
Dezembro/2110,06%
Janeiro/2210,38%
Fevereiro/2210,54%
Março/2211,30%

Esses reajustes deixam as empresas sem previsão do valor matéria-prima ou do frete no mês seguinte.

Com isso, as empresas estão tendo que engavetar investimentos importantes para melhorar o processo produtivo, mudar modelos de vendas e reajustar os preços mais vezes durante o ano, para não comprometer as margens financeiras. 

Algumas instituições, no entanto, têm feito manobras para retardar cada vez mais o repasse de preços e não perder vendas.

Os preços altos comprometem a renda da população. Consequentemente, o consumo cai e as vendas das empresas diminuem. Com faturamento menor, as companhias não têm opção a não ser deixar de investir e reduzir mão de obra, o que eleva o desemprego.

“Tem sido complicado acertar as previsões”, afirma o copresidente da indústria de papel cartão Papirus, Amando Varella. 

Reajuste de preços

O executivo conta que, por causa dessa dificuldade, a empresa tem feito mais reajustes de preços aos clientes se comparado aos anos anteriores, quando essa mudança ocorria a cada 12 meses.

Em 2021, a companhia realizou três reajustes. Neste ano, uma nova revisão já foi informada aos clientes e deve ser implementada em junho.

Frete

Outro reflexo do aumento da inflação está no planejamento de entrega dos produtos. Com a alta do preço do frete, algumas empresas têm optado por não arcar com esse custo, já que o preço combinado na compra pode não ser o mesmo na data da entrega.

Amando Varella afirma que antes adotava a modalidade Cost, Insurance and Freight (CIF), em que a responsabilidade do frete fica com o fornecedor. Mas, com as constantes altas, tem escolhido o Free on board (FOB), em que essa responsabilidade é do cliente. “Hoje não temos condições de manter e bancar esse aumento.”

Mas, segundo ele, essa mudança tem um lado negativo, que é a perda de controle do fluxo da fábrica. 

Na modalidade FOB, o cliente busca a mercadoria quando quiser. “Isso eleva a insegurança na retirada do produto e pode travar o fluxo da fábrica. A logística interna é prejudicada.” 

Segundo Varella, o cenário de incerteza de preços é um dos piores para o dia a dia das empresas. Quase todos os itens da produção subiram. 

Com informações do Estadão

Fonte: Portal Contábeis – Publicado por DANIELLE NADER, Jornalista

Compartilhe

Programa EMPRESA AMIGA DO VAREJO