Siga-nos:

Varejo paulista amplia postos de trabalhos

Compartilhar:

Em setembro, foram criados 49 novos postos de trabalho no comércio varejista no Estado de São Paulo, resultado 70.489 admissões contra 70.440 desligamentos

 

Ainda que o resultado tenha sido residual, em decorrência do tamanho do estoque ativo no varejo estadual de 2.065.957 trabalhadores, vale ressaltar que é o terceiro mês consecutivo que o setor gerou empregos formais, sendo o maior saldo para o mês de setembro desde 2014. No acumulado dos últimos 12 meses, foram extintos 3.102 empregos com carteira assinada, número bem inferior ao apurado entre outubro de 2015 e setembro de 2016, quando foram perdidos 60.563 vínculos celetistas.
As informações são da Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP), da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), elaborada com base nos dados do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, obtido com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

A assessoria econômica da FecomercioSP reforça que, após dois meses de significativa geração de empregos formais no varejo paulista, a estabilidade observada em setembro já era esperada. Outro ponto a se destacar é que normalmente em setembro ocorrem os desligamentos que foram postergados do mês anterior, pois em agosto o número de desligamentos de trabalhadores é normalmente mais baixo. Isso ocorre porque o artigo 9° da Lei Federal n.º 7.238/14 determina que: "O empregado dispensado, sem justa causa, no período de 30 (trinta) dias que antecede a data de sua correção salarial, terá direito à indenização adicional equivalente a um salário mensal, seja ele optante ou não pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)".

Entre as nove atividades pesquisadas, cinco criaram empregos formais, com destaque para o segmento de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos que criou 564 vagas. Na sequência, as atividades de supermercados, com 386 novas vagas, e materiais de construção, com 232 vagas formais.
Em relação a setembro de 2016, quatro segmentos apontaram aumento no estoque de trabalhadores, com destaque para a recuperação do mercado de trabalho de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos, que voltou a crescer (0,5%), e para as farmácias e perfumarias, que exibiram a maior taxa de crescimento no período (2,4%).
Em relação aos dados sobre ocupações, as profissões com maior saldo de movimentação em setembro foram as de embaladores e alimentadores de produção (729 vagas) e de vendedores e demonstradores (466 vagas).

 

Varejo na região de Marília elimina 384 empregos em um ano

Segundo pesquisa da FecomercioSP, estoque total de trabalhadores do setor em setembro foi 0,8% inferior ao registrado no mesmo mês de 2016

Em setembro, o comércio varejista na região de Marília criou 7 postos de trabalho, resultado de 1.520 admissões contra 1.513 desligamentos. Em 12 meses, foram eliminados 384 empregos com carteira assinada, o que levou a um recuo, na comparação com o mesmo mês do ano anterior, de 0,8% do estoque total, atingindo 46.843 trabalhadores formais no mês.
Entre as nove atividades analisadas, apenas os segmentos de farmácias e perfumarias (2,4%) e lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de depto. (2,3%) apresentaram crescimento no estoque total de empregados em setembro na comparação com o mesmo mês do ano passado. As maiores quedas foram observadas nos segmentos de lojas de móveis e decoração (-5,3%) e de concessionárias de veículos (-2%).

Estoque de trabalhadores formais do varejo na região de Osasco caiu 1,5% em um ano, o segundo pior desempenho do Estado

Segundo a FecomercioSP, no acumulado de outubro de 2016 a setembro 2017 região eliminou 2.075 empregos com carteira assinada

Em setembro, o comércio varejista na região de Osasco perdeu 185 postos de trabalho, resultado de 4.373 admissões contra 4.558 desligamentos. Em 12 meses, foram eliminados 2.075 empregos com carteira assinada. Assim, o varejo encerrou setembro com 132.188 trabalhadores formais, recuo de 1,5% em relação ao mesmo mês de 2016, o segundo pior desempenho do Estado de São Paulo, ficando atrás apenas da região de Presidente Prudente (-2,1%).
Das nove atividades analisadas, os destaques positivos foram vistos nos segmentos de eletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (2%) e supermercados (1,6%). Em contrapartida, outras atividades (-9%) e lojas de móveis e decoração (-7,5%) registraram as maiores quedas no estoque geral de trabalhadores.

Em setembro, estoque de trabalhadores do varejo na região de Presidente Prudente caiu 2,1% no comparativo anual, o pior desempenho do Estado

Segundo a FecomercioSP, 799 empregos com carteira assinada foram eliminados no varejo da região nos últimos 12 meses

Em setembro, o comércio varejista na região de Presidente Prudente eliminou 105 postos de trabalho, resultado de 1.073 admissões contra 1.178 desligamentos. No acumulado de 12 meses, foram extintos 799 empregos com carteira assinada. O varejo encerrou o mês com 37.867 trabalhadores formais, queda de 2,1% em relação ao mesmo período de 2016, o pior desempenho entre as 16 regiões paulistas analisadas.
Entre as nove atividades analisadas, oito apresentaram queda na ocupação formal em setembro na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os destaques negativos ficaram por conta dos segmentos de lojas de móveis e decoração (-7,3%) e de concessionárias de veículos (-6,8%). O setor de farmácias e perfumarias (0,9%) foi o único a registrar desempenho positivo na mesma base de comparação.

Varejo na região de Ribeirão Preto elimina 386 postos de trabalho em um ano

Segundo Entidade, apesar do desempenho negativo na comparação anual, foram criados 49 postos de trabalho em setembro, que resultaram no total de 139.918 trabalhadores ativos no varejo regional
Em setembro, o comércio varejista na região de Ribeirão Preto criou 49 postos de trabalho, resultado de 4.757 admissões contra 4.708 desligamentos. Em 12 meses, foram eliminados 386 empregos com carteira assinada, representando um recuo de 0,3% do estoque total na comparação com o mesmo mês de 2016. Assim, o varejo na região encerrou o mês com 139.918 trabalhadores formais.
Das nove atividades analisadas, cinco registraram recuo no estoque de empregos formais em setembro, no comparativo com o mesmo mês de 2016. Os mais significativos foram vistos nos setores de materiais de construção (-3,1%) e concessionárias de veículos (-2,4%). Os destaques positivos foram vistos nos segmentos de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamento (3,8%) e supermercados (1,2%).

Varejo na região de São José do Rio Preto cria 95 postos de trabalho em setembro

Segundo pesquisa da Entidade, o número total de empregados formais do setor na região cresceu 0,2% em relação a setembro de 2016
Em setembro, o comércio varejista na região de São José do Rio Preto criou 95 postos de trabalho, resultado de 2.774 admissões contra 2.679 desligamentos. Em 12 meses, foram 178 empregos com carteira assinada a mais, um crescimento de 0,2% em relação a setembro de 2016, o que fez o varejo regional encerrar o mês com 79.810 trabalhadores formais.

Entre as nove atividades pesquisadas, cinco apresentaram recuo no estoque de empregos em setembro, na comparação com o mesmo mês de 2016. Os mais expressivos foram observados nos segmentos de concessionárias de veículos (-2,7%) e de outras atividades (-2,1%). Os setores que mostraram as maiores variações positivas foram os de lojas de móveis e decoração (3,6%) e de supermercados (2,3%).

Varejo na região de Sorocaba elimina 217 empregos com carteira assinada em um ano

Segundo Entidade, houve redução de 0,2% no estoque total de funcionários na comparação com mesmo mês de 2016
Em setembro, o comércio varejista na região de Sorocaba eliminou 69 postos de trabalho, resultado de 3.913 admissões contra 3.982 desligamentos. Em 12 meses, foram eliminados 217 empregos com carteira assinada, o que representa um recuo de 0,2% do estoque total na comparação com setembro de 2016. O varejo na região encerrou o mês com 111.294 trabalhadores formais.
Das nove atividades analisadas, seis apresentaram queda na ocupação formal em setembro na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os maiores recuos foram vistos nos segmentos de concessionárias de veículos (-1,9%) e de lojas de vestuário, tecidos e calçados (-1,6%). Os segmentos de farmácias e perfumarias (1,3%) e de autopeças e acessórios (1,1%) foram os destaques positivos no estoque de trabalhadores no período.

Varejo na região de Taubaté elimina 653 empregos com carteira assinada em um ano

Segundo Entidade, número total de trabalhadores do setor recuou 0,7% na comparação com o setembro de 2016

Em setembro, o comércio varejista na região de Taubaté eliminou 164 postos de trabalho, resultado de 3.540 admissões contra 3.704 desligamentos. Em 12 meses, foram extintos 653 empregos com carteira assinada, o que levou a um recuo, na comparação com o mês de setembro de 2016, de 0,7% do estoque total, atingindo 99.462 trabalhadores formais no mês.

Das nove atividades analisadas, as de autopeças e acessórios (2,7%) e de lojas deeletrodomésticos, eletrônicos e lojas de departamentos (1,2%) foram as que apresentaram os maiores crescimentos na ocupação formal em setembro, na comparação com o mesmo mês de 2016. As quedas mais expressivas foram observadas nos segmentos de lojas de móveis e decoração e (-5,7%) de concessionárias de veículos (-3,9%).

Nota metodológica

A Pesquisa de Emprego no Comércio Varejista do Estado de São Paulo (PESP) analisa o nível de emprego do comércio varejista. O campo de atuação está estratificado em 16 regiões do Estado de São Paulo e nove atividades do varejo: autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos e lojas de departamento; matérias de construção; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecido e calçados; supermercado e outras atividades. As informações são extraídas dos registros do Ministério do Trabalho, por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e o impacto do seu resultado no estoque estabelecido de trabalhadores no Estado de São Paulo, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

 

Sobre a FecomercioSP

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 142 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista - e quase 10% do PIB brasileiro - gerando em torno de 10 milhões de empregos.

 

Mais informações:

Assessoria de imprensa FecomercioSP

Clarisse Ferreira - cferreira@fecomercio.com.br
(11) 3254-1705
Aline Carvalho - 
acbatista@fecomercio.com.br
(11) 3254-1707
Cristina Abreu - 
csaabreu@fecomercio.com.br
(11) 3254-1708
Raíza Dias - 
raiza.dias@tutu.ee

(11) 3254-1706

Ana Paula Fonseca - anapaula.fonseca @tutu.ee

(11) 94291-8055

Aline Queiroz - aline.queiroz@tutu.ee

(11) 96860-1503

Lilian Michelan - lilian.michelan@tutu.ee

(11) 94136-0648

Andrea Bueno - andrea.bueno@tutu.ee

(11) 94227-4514 

Siga a FecomercioSP no Twitter - www.twitter.com/fecomercio
Conheça nossa página no Facebook - 
www.facebook.com/fecomercio

 

Outubro fecha postos de trabalho no comércio de Americana, Nova Odessa e Santa Bárbara d’Oeste

Saldo de empregos foi negativo não só no varejo, como nas atividades econômicas em geral

Caroline Miranda Brandão

 

O mês de outubro não foi dos melhores para a geração de empregos nos municípios da base do Sincomercio (Sindicato dos Lojistas e do Comércio Varejista de Americana, Nova Odessa e Santa Bárbara d’Oeste). De acordo com dados divulgados pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho, apurados pela assessoria econômica do sindicato, o comércio varejista fechou 6 vagas formais em outubro deste ano, ante saldo positivo de 12 em 2016.

Os setores que mais contribuíram para a queda foram Lojas de vestuário, tecido e calçados e Farmácias e perfumarias, que tiveram saldo negativo de 20 postos de trabalho cada. Quem segurou um pouco foi o segmentos Supermercados, que abriu 30 postos em outubro, o que não foi suficiente para deixar o saldo positivo.

 

REGIÃO 2017 2016
Autopeças e Acessórios 4 0
Concessionárias de Veículos -9 -7
Farmácias e Perfumarias -20 -2
Lojas de Eletrodomésticos e Eletrônicos 4 5
Materiais de Construção 13 1
Lojas de Móveis e Decoração 3 8
Lojas de Vestuário, Tecido e Calçados -20 21
Supermercados 30 18
Outras Atividades -11 -32
Total do Comércio Varejista -6 12

 

Por município, somente o varejo de Nova Odessa gerou mais empregos que em 2016. Foram 52 vagas de trabalho abertas, acima do saldo em 2016, que já havia sido positivo (14). Com exceção do segmento “Outras atividades”, todos os demais setores no município tiveram saldo positivo ou, pelo menos, zero.

 

NOVA ODESSA 2017 2016
Autopeças e Acessórios 0 3
Concessionárias de Veículos 1 -1
Farmácias e Perfumarias 0 2
Lojas de Eletrodomésticos e Eletrônicos 7 -2
Materiais de Construção 14 -3
Lojas de Móveis e Decoração 1 1
Lojas de Vestuário, Tecido e Calçados 18 2
Supermercados 13 14
Outras Atividades -2 -2
Total do Comércio Varejista 52 14

 

Americana manteve-se estável em relação a 2016. Em outubro do ano passado registrou saldo negativo de 21 vagas, resultado ligeiramente melhor que no último mês, quando encerrou 23 postos no comércio varejista. Os “vilões” grandes no município foram os mesmos que impulsionaram negativamente a região: Farmácia e perfumarias (-13) e Lojas de vestuário, tecido e calçados (-12).

 

AMERICANA 2017 2016
Autopeças e Acessórios 1 -6
Concessionárias de Veículos -8 -4
Farmácias e Perfumarias -13 -8
Lojas de Eletrodomésticos e Eletrônicos -9 5
Materiais de Construção 2 -10
Lojas de Móveis e Decoração 5 7
Lojas de Vestuário, Tecido e Calçados -12 3
Supermercados 1 19
Outras Atividades 10 -27
Total do Comércio Varejista -23 -21

 

Santa Bárbara d’Oeste teve o pior resultado de outubro, tanto na comparação com os municípios da região, quando ante o mesmo período de 2016. No mês passado, o varejo da cidade teve saldo negativo de 35 vagas formais, segundo o Caged, contra saldo positivo de 19 em outubro do ano passado. Lojas de vestuário, tecido e calçados (-26) também foi o maior impulsionador para os dados negativos.

 

SANTA BÁRBARA D'OESTE 2017 2016
Autopeças e Acessórios 3 3
Concessionárias de Veículos -2 -2
Farmácias e Perfumarias -7 4
Lojas de Eletrodomésticos e Eletrônicos 6 2
Materiais de Construção -3 14
Lojas de Móveis e Decoração -3 0
Lojas de Vestuário, Tecido e Calçados -26 16
Supermercados 16 -15
Outras Atividades -19 -3
Total do Comércio Varejista -35 19

 

Outros setores

Considerando os oito setores analisados pelo Caged – extrativa mineral; indústria de transformação; serviços industriais de utilidade pública; construção civil; comércio geral; serviços; administração pública; e agropecuária, extrativa vegetal, caça e pesca –, o saldo de empregos formais em outubro último ficou negativo em 410 postos de trabalho próximo ao apurado no mesmo mês de 2016, quando o número foi de -388.

 

Outro lado

Como destaques positivos, os setores que mais empregaram em Americana foram Serviços de buffet, Construção de edifícios e Atividades de ensino. Em Nova Odessa, os destaques foram Manutenção de máquinas, Acabamento de fios têxteis e Obras de fundações. Já Santa Bárbara, a maior quantidade de vagas se concentrou nos setores de Fabricação de peças para veículos, Restaurantes e Obras de acabamento.

 

Análise

Segundo a assessora econômica do Sincomercio, Caroline Miranda Brandão, apesar de resultado no varejo, em geral, não ter sido positivo, ao considerar todos os segmentos, o saldo de empregos em outubro ficou próximo ao registrado em 2016. “Isso demonstra uma certa estabilidade econômica, o que pode se fortalecer nos próximos meses, principalmente em função das vendas de Natal”, explica Caroline.

Ela destaca ainda a grande queda no segmento Lojas de Vestuário, tecido e calçados, uma das atividades mais importantes na nossa região. “Esse setor possivelmente ainda não tenha tido uma reação tão boa quanto tem se visto com outros segmentos. Porém, é um dos setores que mais contribui nas vendas de final de ano, o que pode gerar um aumento de contratações para suprir a demanda do mercado nos próximos meses”, prevê Caroline.

Fonte: Região Hoje (http://www.regiaohoje.com.br/noticia/5309/outubro-fecha-postos-de-trabalho-no-comercio-da-regiao.html)

Nenhum comentário

Deixe um comentário