Siga-nos:

Iveco renova linha de caminhões pesados com Hi-Road

Compartilhar:

Com investimento de US$ 30 milhões, modelo chega ao mercado em 2019

Para reforçar sua presença na linha de caminhões pesados, a Ivecoapresenta ao mercado o novo Hi-Road, substituto do Stralis, que deixou de ser produzido pela marca há pouco mais de seis meses. O novo modelo inaugura o status de família para a linha, agora denominada Hi-Family, incluindo o carro-chefe Hi-Way, e é um dos frutos do ciclo de investimento anunciado pela montadora na última Fenatran, em 2017, de US$ 120 milhões e que vigora até o primeiro semestre de 2019.
O projeto do Hi-Road começou há pouco mais de dois anos em conjunto com a matriz e demandou um total de US$ 30 milhões. Ele começa a ser produzido em janeiro de 2019 na unidade da Iveco em Sete Lagoas (MG) nas versões 4x2, 6x2 e 6x4 equipadas com os motores FPT Cursor nas versões 9 com potência de 360 cv no 4x2 e de 13 com duas faixas de potência, 400 cv (4X2 e 6X2) e 440 cv (4X2, 6X2 e 6X4), com torque máximo de 2.250 Nm.
Segundo o diretor de vendas e marketing, Ricardo Barion, o projeto nasceu em um período ainda conturbado para o mercado de pesados.
“Essa atitude sinaliza que a Iveco sempre acreditou na recuperação do Brasil”, comenta Barion.
Segundo o executivo, o projeto também se baseou em uma pesquisa em campo que ouviu mais de 1 mil clientes. “Mais do que ter uma linha completa, o importante para a Iveco é ter exatamente o que o cliente quer e o Hi-Road contempla 100% das questões apontadas pelo cliente”, garante. Barion reforça que o Hi-Road é um caminhão totalmente novo. “Para não dizer que ele não tem nada do Stralis, as chapas de porta são as mesmas, o restante foi totalmente reformulado.”
Entre os principais pontos de seu desenvolvimento, a empresa focou em três pilares: consumo, desempenho e disponibilidade visando o baixo custo operacional. De acordo com o especialista de marketing de produto, Anderson Vilela, o Hi-Road herdou as principais modificações feitas recentemente em seu irmão mais velho, o Hi-Way versão 2017. O modelo apresenta uma economia de até 7% no consumo de combustível. “Chegamos a casos de redução de até 10%. Além disso, trocamos a turbina e com isso entregamos mais torque.”
Todo o sistema elétrico também foi revisto, além da cabine totalmente nova e reformulada em parceria com a matriz italiana, com teto alto de série, para-sol, defletor de ar lateral com maior aerodinâmica e defletor inferior.
O Hi-Road brigará com modelos intermediários do mercado, principalmente na faixa do 6x2 de 440 cv, como os Mercedes-Benz Axor e VW Constellation. Essa faixa representa 45% das vendas, o mesmo nível para os 6x4, enquanto os 4x2 respondem por 10% das entregas de pesados da marca. O preço previsto para a versão 6x2 de 440 cv é de R$ 380 mil.
“Já temos duzentos pedidos desse caminhão e cem deles são para cem clientes diferentes”, revela Barion.

 

Fonte: Automotive Business (SUELI REIS, AB | De Sete Lagoas-MG)

Nenhum comentário

Deixe um comentário