Siga-nos:

Famílias paulistanas começaram o ano endividadas

Compartilhar:

Segundo a FecomercioSP, o endividamento de 53% recuou 3 pontos porcentuais em comparação a dezembro; dívida com cartão de crédito atingiu a maior taxa desde novembro de 2011

 

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), aponta que 53,3% das famílias paulistanas possuíam algum tipo de dívida em janeiro, recuo de três pontos porcentuais na comparação com dezembro de 2017, quando 56,3% declararam estar nessa situação. Em relação ao mesmo período do ano passado, essa proporção subiu 4,1 pontos porcentuais, representando um aumento de 174 mil no número total de famílias endividadas na capital que atingiu 2,07 milhões em janeiro.

Ainda que a inadimplência também tenha crescido na comparação anual - ao passar de 16,9% em janeiro de 2017 para 17,8% neste primeiro mês de 2018 -, trata-se do menor porcentual registrado desde março do ano passado. Ao todo, 690 mil famílias paulistanas não conseguiram quitar a dívida na data do vencimento. Na comparação com dezembro, houve recuo - o segundo seguido - de 1,9 ponto porcentual.

Entre as famílias que pretendem pagar parcial ou totalmente a dívida em atraso também houve alta e chegou a 57,2% em janeiro, superando os 54,1% do mesmo mês do último ano. As famílias que disseram que não conseguirão quitar as dívidas em atraso atingiu 7% em janeiro, queda de 0,4 p.p. tanto na comparação mensal quanto na anual, e o menor patamar desde dezembro de 2016.

A assessoria econômica da FecomercioSP destaca que a melhora do ambiente econômico com inflação sob controle, juros em queda, sinais de recuperação do mercado de trabalho, entre outros fatores, trouxe mais segurança aos consumidores em comprometer a sua renda futura com a aquisição de bens e serviços via crédito, e, por esse motivo, a proporção de famílias endividadas na capital paulista cresceu gradativamente ao longo de 2017.

Para a Federação, a segunda queda mensal consecutiva tanto nos indicadores de endividamento quanto de inadimplência não reverte esse cenário, já que esse movimento pode ter sido motivado pelos recursos adicionais do décimo terceiro salário e também pelos feirões de renegociação de dívida.

 

Faixa de renda

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, há um movimento que chama a atenção quando se observa os dados por faixa de renda. Entre as famílias com renda de até dez salários mínimos, houve um aumento anual tanto no endividamento (54% para 57,4%) quanto na inadimplência (21,6% para 23,1%). No grupo com renda superior a dez salários mínimos houve, no entanto, crescimento da taxa de endividados, de 35,4% em janeiro do ano passado para 41,5% em janeiro deste ano; e queda na inadimplência, de 6,4% para 5,4%.

A Entidade destaca ainda que, evidentemente, famílias com renda mais elevada conseguem - neste momento de melhora da economia - se endividar mais, mas também liquidar os débitos atrasados. Para o grupo com renda inferior a dez salários mínimos, a situação é menos confortável, porém, não gera preocupação.

 

Tipo de dívida

A dívida com cartão de crédito segue no topo da lista. Embora a taxa de endividados nessa modalidade fique, historicamente, próxima dos 70%, em janeiro chegou a 74,7%, a maior desde novembro de 2011 (76,3%). Em comparação com o mesmo período de 2017, houve aumento de 3,3 pontos porcentuais, comprovando o diagnóstico da Federação em relação à retomada do consumo.

O financiamento de carro foi o segundo tipo de dívida mais comum, com 14,6%, seguido por carnês, com 12,9%.

 

Metodologia

A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) é apurada mensalmente pela FecomercioSP desde fevereiro de 2004. São entrevistados aproximadamente 2,2 mil consumidores na capital paulista.

O objetivo da PEIC é diagnosticar o nível de endividamento e de inadimplência do consumidor. A partir das informações coletadas, são apurados importantes indicadores: nível de endividamento, porcentual de inadimplentes, intenção de pagamento de dívidas em atraso e nível de comprometimento da renda. Tais indicadores são observados considerando duas faixas de renda.

A pesquisa permite o acompanhamento do nível de comprometimento do comprador com as dívidas e sua percepção em relação à capacidade de pagamento, fatores fundamentais para o processo de decisão dos empresários do comércio e demais agentes econômicos.

 

Sobre a FecomercioSP

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) é a principal entidade sindical paulista dos setores de comércio e serviços. Congrega 143 sindicatos patronais e administra, no Estado, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). A Entidade representa um segmento da economia que mobiliza mais de 1,8 milhão de atividades empresariais de todos os portes. Esse universo responde por cerca de 30% do PIB paulista - e quase 10% do PIB brasileiro -, gerando em torno de 10 milhões de empregos.

Mais informações:

Assessoria de imprensa FecomercioSP

Clarisse Ferreira - cferreira@fecomercio.com.br

(11) 3254-1701

Aline Carvalho - acbatista@fecomercio.com.br

(11) 3254-1703

Cristina Abreu - csaabreu@fecomercio.com.br

(11) 3254-1704

Raíza Dias - raiza.dias@tutu.ee

(11) 3254-1702

Ana Paula Fonseca - anapaula.fonseca@tutu.ee

(11) 94291-8055

Aline Queiroz - aline.queiroz@tutu.ee

(11) 96860-1503

Lilian Michelan - lilian.michelan@tutu.ee

(11) 94136-0648

Andrea Ramos Bueno - andrea.bueno@tutu.ee

(11) 94227-4514 

Siga a FecomercioSP no Twitter - www.twitter.com/fecomercio

Conheça nossa página no Facebook - www.facebook.com/fecomercio

Nenhum comentário

Deixe um comentário