Siga-nos:

Bio5 planeja reciclar 20% dos pneus descartados

Compartilhar:

Fundo de participação investirá R$ 500 milhões em plantas de pirólise

REDAÇÃO AB

 

Bio5 anunciou planos para reciclar cerca de 20% dos pneus descartados no País por processo de pirólise, com investimentos que deverão chegar a R$ 500 milhões em plantas especializadas. A primeira unidade já está em construção em Cuiabá, capital de Mato Grosso, onde a empresa informa que está investindo R$ 100 milhões por meio do fundo de participação (private equity) DMI Group, com instalação de equipamentos importados de países como China e Estados Unidos para processar cerca de 20 mil toneladas de pneus inservíveis por ano, equivalente a aproximadamente 4 milhões de unidades, o que representa 4% do volume de descarte anual no Brasil – em 2016 este número somou 450 mil toneladas de 91 milhões de unidades, segundo dados da Reciclanip, entidade criada em 2007 pelos principais fabricantes responsável por gerenciar o recolhimento e reciclagem de pneus.
Atualmente, mais da metade dos pneus descartados no Brasil é queimada como combustível em fornos de cimenteiras. O processo proposto pela Bio5 é considerado mais eficiente e sustentável, porque a pirólise faz a decomposição química em câmaras de aquecimento sem oxigênio, que por isso não emite monóxido de carbono na atmosfera. Todas as matérias contidas nos pneus, aço, negro-de-fumo, gás e o óleo combustível, são extraídas, separadas e recuperadas para reutilização.
O negro-de-fumo, pó utilizado para dar resistência à borracha do pneu, pode ser também reutilizado para pigmentação preta em geral, na produção de asfalto e confecção de tintas para impressora, por exemplo. Já o óleo extraído irá alimentar usinas de geração de energia elétrica, tanto para uso da própria planta de reciclagem como para a rede de distribuição. “Nossa planta será capaz de gerar energia elétrica suficiente para abastecer uma cidade de 28 mil habitantes”, afirma Robson Freitas, CEO da Bio5.
“A reciclagem via pirólise contribui com o meio ambiente, é sustentável e gera valor aos acionistas”, dia Freitas. A empresa aposta que o negócio da reciclagem de pneus de forma mais sustentável deverá crescer nos próximos anos, pois até agora todas as alternativas apresentadas para o futuro da mobilidade e do transporte, seja com veículos elétricos ou não, continua a rodar sobre pneus. Assim o descarte seguirá sendo um problema, pois um pneu pode demorar 700 anos para se decompor na natureza. Segundo dados da Bio5, a cada ano são descartadas 13,5 milhões de toneladas e apesar de todos os esforços para dar destinação adequada ao material, grande parte ainda vai parar nos mares, rios e terrenos.

Fonte: Automotive Business

Nenhum comentário

Deixe um comentário