Siga-nos:

Artigo – Brasil, fechado para reformas

Compartilhar:

Por Rogério Borili, vice-presidente da Becomex

Em ano de eleição o País parece estar fechado para aguardar, com muitas expectativas, o próximo governo que vai ocupar o Palácio do Planalto e dar início às reformas que ainda precisam acontecer para voltar a funcionar. Mais que nunca é preciso continuar com as reformas pendentes para atrair mais investimentos e tornar o Brasil um mercado mais organizado, confiável e competitivo.

O primeiro passo à frente já foi dado com a implantação da Reforma Trabalhista. Porém, por mais que ela tenha vindo para modernizar e flexibilizar as ultrapassadas leis trabalhistas, o governo ainda enfrenta dificuldades para esclarecer todos os seus pontos.

Evidente que trouxe atualizações importantes, como as regras do trabalho remoto – agora possível – e também a importante possibilidade de terceirizar serviços na atividade fim das empresas, mas é preciso complementar as regras para não deixar dúvidas de como as empresas devem aplicá-las criando ainda mais insegurança jurídica.

As principais mudanças ainda são aguardadas pelas empresas. O alto custo da folha de pagamento ainda não foi alterado e é justamente aí que podemos "destravar" o sistema e incentivar a geração de novos empregos. Isso ainda não teve uma solução.

As regras foram alteradas, atualizadas, melhoradas, mas ainda não se refletem positivamente sobre os custos de contratação de empregados. Essa é a grande mudança que esperávamos e não aconteceu.

As reformas precisam deixar de simplesmente "tapar buracos" para se tronar oportunidades de redução de custo e geração de emprego, o que movimenta a economia do País.

Mesmo diante de tantos ajustes - fundamentais para nossa economia sair da fase imatura e passar a ser o "País do Futuro" de fato - vivemos a expectativa pela Reforma Tributária, que se encontra hoje no momento mais alarmante, emperrada por falta de ambiente político para acontecer. Para piorar, a intervenção de segurança no Rio de Janeiro impede que o governo dê andamento a esse processo, por força de lei. "Cobrimos um santo" e deixamos descoberto todo o País.

Essa discussão, tão importante para a prosperidade do nosso Brasil, infelizmente vai ter que esperar o próximo governo e o rumo que ele dará ao tema.

Às empresas e ao País cabe esperar que a discussão migre no sentido da simplificação tributária, com a redução do número de alíquotas do PIS e da Cofins, que variam, atualmente, conforme o setor de atividade.

Os projetos já em discussão sugerem mudanças em doses homeopáticas e que por isso deverão ocorrer a longo prazo. Mas, o fato é que precisam ser iniciadas o quanto antes para voltar a aquecer a economia. Ainda que com uma carga tributária injusta, somente a retomada da economia vai trazer fôlego para aguentar essa espera.

Do governo que virá, devemos exigir uma prestação de serviços públicos e benefícios compatíveis com a arrecadação do país, comparada com países de economias mais fortes.

O ideal é que a essa reforma traga para o mercado formal empresas que estejam à margem da tributação devido à burocracia. Ao mesmo tempo, possa beneficiar as que procuram estar com os impostos em dia.

Estamos no olho do furacão! E para sobreviver às incertezas, a sua empresa precisa estar se preparando para voltar a crescer, de "casa arrumada", com processos de redução de custos estruturados, transparentes e seguros.

É fundamental que a reforma também aconteça dentro de casa. Então não dá para ficar de braços cruzados. Pois, somente com essa base sólida, será possível enfrentar o "olho desse furacão" sem desmoronar.

Sobre Rogério Borili

Rogério Borili Pereira é vice-presidente da Becomex. Engenheiro da Computação, responsável por desenvolver soluções que criaram processos inovadores na área tributária. É responsável por ampliar o mercado da Becomex, com o objetivo de oferecer às empresas as mais modernas práticas tributárias, reforçando a posição como uma das melhores e mais completas empresas de consultorias tributárias atuantes no país.

Há mais de 20 anos no mercado, Rogério Borili usa sua experiência junto à área tributária e de comércio exterior das maiores corporações atuantes no país para implementar soluções inteligentes e seguras que melhoram a competitividade e geram resultados surpreendentes e sustentáveis.

Antes de fundar com seus sócios a Becomex, Borili atuou como consultor em diversos grupos empresariais, como AGCO, COSAN, DuPont, Villares e Sadia.

Rogério Borili, vice-preidente da Becomex

Sobre a Becomex

A BECOMEX é uma empresa especializada no gerenciamento integrado na área tributária e operações internacionais, com foco na implementação das melhores práticas de mercado pela aplicação de conhecimento e tecnologia na área tributária, melhorando os processos de governança fiscal e aduaneira. Em 10 anos de mercado, atende a centenas de clientes de diversos segmentos, entre eles Grupo Votorantim, Tramontina, Toyota, Renault, entre outras. Com consultores altamente capacitados e o uso de tecnologia exclusiva, a Becomex contribui para que áreas fiscais e contábeis nas empresas sejam encaradas como atividades estratégicas e lucrativas. Para mais informações sobre a empresa, acesse: www.becomex.com.br

Becomex | Informações para Imprensa:
PitchCom - Comunicação na medida certa! 
Isadora Leone | (11) 98445-3985 - 
isadora.leone@pitchcom.com.br
Andrea Cipriano| (11) 99151-2328 - 
andrea.cipriano@pitchcom.com.br

Nenhum comentário

Deixe um comentário