Siga-nos:

Antecipar recebíveis é alternativa para final de ano

Compartilhar:

Executivo desenvolveu plataforma para pagamento do 13º salário e férias, com objetivo de aumentar a rentabilidade do caixa disponível das tesourarias. As taxas variam de 1,36 % a 4,5% ao mês
Ainda com os sinais e cicatrizes da crise econômica que assola o País, o mercado começa a reagir aos poucos. Igualmente, o caixa das empresas foi afetado e rearranjos foram feitos para manter a receita.  Uma das opções têm sido transformar o departamento de ‘Contas a Pagar’ das empresas em um fundo de renda fixa. Como isso?

A prática de antecipar recebíveis pode ajudar no aumento da rentabilidade do caixa, pagamento do 13º salário de fim de ano, férias de funcionários e capital de giro. De acordo com dados divulgados recentemente pelo Banco Central, a prática vem ganhando cada vez mais adeptos pelo País. O volume das negociações movimentada pelo segmento em maio deste ano foi de R$ 16,7 bilhões que, quando comparado ao ano anterior, reflete um aumento significativo de 61,7%.

Diante da oportunidade de melhorar a eficiência das negociações, Camilo Telles, CEO e fundador do Antecipa, startup de tecnologia, que opera um marketplace de antecipação de recebíveis entre compradores e fornecedores (Supply Chain Financing), com o foco no caixa do sacado, visualizou a chance de transformar o segmento.

Com o uso de algoritmos e análise minuciosa do perfil dos fornecedores, criou uma plataforma inovadora e compensatória para os dois lados. “Compradores conseguem uma rentabilidade entre três a quatro vezes mais com a plataforma e a taxas variam de 1,36 % a 4,5% ao mês. A nossa estratégia é garantir sempre a melhor antecipação para o comprador, pois conseguimos colocar preços variáveis em relações que já haviam taxas pré-fixadas. Essa é a razão pela qual as empresas estão vendo vantagem em usar a ferramenta”, diz o executivo.

Exemplo, uma taxa de desconto na ordem de 2,5% equivale a 300% do CDI. Isso porque com a redução da SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) a 7% ao ano, como prevê o Relatório de Mercado Focus, não só as pessoas físicas, mas o departamento financeiro das empresas também será prejudicado. “Se antes era possível manter parte do patrimônio investido em fundos DI e obter retornos na casa dos 12% ao ano, atualmente não mais. O spread bancário brasileiro é o maior do mundo, superando países como Paraguai, Peru, Argentina, Austrália, África do Sul, México e Japão.”, explica.

 

Sobre a Antecipa

Camilo Telles é especialista em Ciências da Computação, CEO e fundador do Antecipa, startup de tecnologia, que opera um marketplace de antecipação de recebíveis entre compradores e fornecedores (Supply Chain Financing), com o foco no caixa do sacado. Com o uso de algoritmos, as taxas variam de 1,36 % a 4,5% ao mês.

A empresa é residente no Cubo Itaú - um dos maiores epicentros de tecnologia e inovação do Brasil. Participa do programa de aceleração Startup Focus, da SAP (multinacional alemã desenvolvedora do software). Recentemente, o executivo foi convidado para palestrar no Euro Finance 2017, maior Conferência Internacional de Gestão de Tesouraria do Brasil e do Mundo. Tornou-se panelista oficial do The Economist, uma das publicações mais influentes e respeitadas do mercado financeiro no mundo, com sede em Londres.

Atualmente, a startup conta com mais de 300 clientes e projeta um faturamento de R$ 2 milhões até o fim do ano. A meta para 2018 é atender mais de 10 mil empresas, ou seja, operar e integrar a plataforma ao Contas a Pagar das corporações. Hoje, o negócio mira empresas com faturamento acima de R$ 300 milhões/ano.

 

Saiba mais sobre a ferramenta, www.antecipa.com

Adriana Veronez
Diretora de Comunicação/Relações Públicas
adriana.veronez@magnitudecomunicacao.com.br
(11) 9 6711-3723 (11) 2768-6001

Skype: adriana.veronez2
www.magnitudecomunicacao.com.br

Nenhum comentário

Deixe um comentário